Em 2014 a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) publicou uma pesquisa sobre o nascer no Brasil, onde é possível observar nitidamente a exclusão de métodos de parto, como o parto humanizado, e a preferência de outros modelos.

De acordo com a pesquisa, o Brasil é pioneiro no parto cesárea, que lidera 52% dos nascimentos em rede pública, e 88% em rede privada. Além disso, ainda seguindo a pesquisa, descobrimos que 70% das brasileiras gostariam de um parto normal, porém as mesmas não são incentivadas a isso, o que ocasiona um número alarmante e excessivo de partos cesáreas.

 

Mas você sabia que essa realidade poderia ser evitada? A FIOCRUZ aponta que outros modelos de assistência ao nascimento, e demais tipos de parto, como o parto humanizado, aumentam as chances de partos espontâneos, o que diminui o comprometimento da saúde dessas mães e dos bebês.

Preconceito

preconceito aos partos naturaias

Fonte: unplash

Desse modo, é preciso entender por que há a predileção por alguns partos e outros não. O senso comum nos diz que qualquer outro tipo de parto que não seja a cesariana envolve induzir forçadamente o parto normal, o que seria sinônimo de muita dor e sofrimento, tanto para as mães quanto para os bebês.

Entretanto, devemos fazer um recorte desse contexto para o parto humanizado, que é vítima de muitos estigmas. Há quem pense que o parto humanizado é sinônimo de dar à luz em casa, sem nenhum tipo de assistência, e por isso, essa modalidade de parto seria uma das mais cruéis e dolorosas.

 
Parto industrializado

Fonte: unplash

Porém, essa onda de repúdio a esse tipo de parto não é atual. Desde 1980, o parto industrializado, assim como é chamado o parto cesárea, vem sendo divulgado em massa como o método mais seguro e ausente de dor, onde é possível escolher a hora e o dia para o nascimento.

Entretanto, é preciso lembrar que esse método pode até conseguir preencher os requisitos que lhe faz famoso, quando bem realizado. Porém, quando mal executado aumenta os riscos de morte das mães e de prematuridade.

 

Por outro lado, é preciso quebrar esse estigma, e valorizar outras formas de nascer, que inclusive, podem ser menos dolorosas, e que não envolvam o uso de anestesia. Dentro desse contexto, se faz necessário conversarmos sobre o parto humanizado.

O que é parto humanizado?

o que é parto humanizado

Fonte: unplash

De modo geral, há quem diga que o parto normal é um parto humanizado. Porém, o conceito desse método de nascimento, vai além. Sendo assim, podemos entender o parto humanizado como aquele que leva em consideração as decisões da mulher, que segue o fluxo da natureza, e por isso, possui pouca intervenção médica.

Desse modo, podemos entender que há sim um acompanhamento médico, que analisa e cuida da saúde da mãe e do bebê, e além disso, esse mesmo médico está presente na hora do parto, que pode ocorrer de múltiplas formas, como em casa, no hospital, na água, dentre outros.

Qual a diferença entre parto natural e humanizado?

parto normal

Fonte: unplash

Há quem diga que o parto natural já é um parto humanizado, entretanto não é bem assim. Para entendermos a real diferença entre os dois partos, é necessário lembrarmos o conceito de parto humanizado.

Como mencionado anteriormente, essa modalidade é entendida como aquela que possui pouca intervenção médica. Logo  respeita o fluxo da natureza e as decisões da mulher. Por outro lado, temos o parto normal, que muito se assemelha ao parto cesárea, já que possui múltiplas intervenções médicas.

Dentre as intervenções médicas, que precisam ser permitidas pela paciente, realizadas pelo Sistema de Saúde Brasileiro (SUS) durante o parto normal estão o uso de estimulantes para o nascimento ou para evitar a dor, a lavagem intestinal, as infusões intravenosas, o uso de pomada ginecológica, distensão do períneo, lavagem do útero após o parto, dente outros.

Entretanto, muitos desses procedimentos que devem ser permitidos pela paciente, muitas vezes nem são informados, e por isso acabam por acontecer na hora do parto.

diferença entre parto humanizado e parto normal

Fonte: unplash

Sendo assim, no parto humanizado há toda essa preocupação de todas as decisões serem refletidas pela mãe. Dessa forma as informações são repassadas com antecedência.

Além desse fator, as duas modalidades de parto se diferenciam também na liberdade de posição do parto, onde no parto humanizado é a gosto da paciente; na hora de ir ao hospital, onde no parto humanizado a mulher pode esperar até as contrações ficarem mais constantes para ir ao hospital; e a preocupação com toda a família.

Quais os benefícios do parto humanizado para a mamãe e para o bebê?

Diante dessas explicações é de se pensar que o parto humanizado traz inúmeros benefícios para a mãe, já que ela é a protagonista desse método de nasce. Entretanto, esse modelo de parto traz também vantagens para o bebê.

benefícios do parto humanizado para a mãe

Fonte: unplash

Benefícios para a Mãe

  • Protagonismo da mãe
  • Possui assistência médica durante toda a gestação
  • Pouca intervenção médica durante o parto
  • Muita informação sobre a gestação e parto é repassada as mães
  • Toma de decisão com antecedência.
  • Acolhimento emocional
  • Assistência humanizada
  • Maior vínculo com o bebê
  • Não precisa de anestesia
benefícios para o bebê

Fonte: unplash

Benefícios para o Bebê

Sem intervenção médica desnecessária, como colírio nos olhos, aspiração, esfregação, banho precoce

  • Maior vínculo com a mãe
  • Intervenção cirúrgica só quando necessário
  • Menor chance de contrair doenças
  • Maior tranquilidade ao sair do útero

É possível fazer cesariana humanizada?

cesariana humanizada

Fonte: unplash

Muitas pessoas podem pensar: já que no parto humanizado há um maior protagonismo da mãe, então se isso acontecer nos demais métodos de parto, esses também se tornaram humanizados. Porém, não é só sobre isso que o parto humanizado se trata.

acompanhante no parto

Fonte: unplash